No Dia Mundial da Educação, Governo destaca esforços para manter Paraná no topo

Estado ocupa 1º lugar do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) do ensino médio entre as redes estaduais de ensino de todo o País. Para 2023 o desafio não é apenas o de manter, mas também o de elevar ainda mais os patamares da educação no Estado.
Publicação
Editoria

Confira o áudio desta notícia

Reforçar o papel da educação como o principal caminho para a transformação social e humanitária. Este é um dos cânones do Dia Mundial da Educação, instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU) e celebrado anualmente no dia 24 de janeiro (Resolução 73/25 da Assembleia Geral da ONU, 3 de dezembro de 2018).

Com objetivo de sensibilizar a sociedade civil rumo ao cumprimento do direito universal à educação, estabelecido no artigo 26º da Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) e na Convenção sobre os Direitos da Criança (1989), a data remete as atenções a dados alarmantes relativos à educação mundial.

Dados levantados pela própria ONU, em 2022, estimam que 258 milhões de jovens ao redor do globo não tenham a oportunidade de ingressar ou concluir a escola, enquanto outros 617 milhões não são capazes de ler ou fazer cálculos básicos.

Neste cenário, somado aos anos pandêmicos, bastante desafiadores para o ensino, o Paraná tem somado esforços para manter elevado o nível educacional dos alunos da rede estadual. Prova disso foi o alcance do 1º lugar do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) do ensino médio entre as redes estaduais de ensino de todo o País. A conquista, que põe a educação do Paraná à frente de todos os estados do Brasil, foi alcançada em 2022 e ocorreu mesmo durante a pandemia, quando as escolas ficaram fechadas por um ano e meio.

"As ações da Secretaria de Estado da Educação (Seed-PR), aliadas ao empenho de todos os professores e demais profissionais da educação, foram cruciais para que este avanço não fosse interrompido", ressalta o secretário Roni Miranda.

Para se ter ideia, no Ideb do ensino médio de 2017, o Estado tinha o índice de 3,7 e dividia a sétima posição com o Tocantins. Já no Ideb de 2019, divulgado em 2020, a nota paranaense pulou para 4,4, ficando ao lado de Pernambuco na terceira colocação. No mais recente, o de 2021, divulgado no último mês de setembro, a nota subiu mais 0,2, chegando a 4,6 e deixando o Paraná em primeiro.

“Foram quatro anos bastante intensos e devemos tal conquista a todos os entes envolvidos neste processo. Nossas merendeiras, pedagogas, agentes educacionais, professores, diretores, diretoras, cada um contribuiu indelevelmente para o alcance desta vitória", completa o secretário.

Para 2023 o desafio não é apenas o de manter, mas também o de elevar ainda mais os patamares da educação no Estado. Pensando em desenvolver as habilidades dos jovens para o futuro – e mesmo para o presente – foram incluídos pensamento computacional (programação) e robótica na matriz curricular do novo ensino médio, além dos programas extracurriculares no contraturno.

"A cada ano mais alunos são envolvidos, tanto que essas áreas do conhecimento já estão sendo expandidas para os anos finais do ensino fundamental – em 2023, por exemplo, mais de 400 mil alunos vão ter a programação em seu currículo", afirma Miranda.

"Além do primeiro lugar no Ideb, começamos o ano com a notícia de que quase 40% dos aprovados no vestibular da UFPR, um dos mais concorridos do Brasil, tiveram formação na rede estadual, o que mostra o nível de excelência que alcançamos. Estamos planejando investimentos estruturais e metodológicos e o objetivo é crescer ainda mais e consolidar o Paraná no topo, contando com a força de todas as 90 mil pessoas que participam ativamente da educação do nosso estado", acrescenta o secretário.

Confira o vídeo de uma aluna e um professor falando sobre esse dia:

GALERIA DE IMAGENS