No seminário da UGT, Richa defende valorização da negociação coletiva

Confira o áudio desta notícia


Governador Beto Richa participa do 2º Seminário Jurídico Nacional da UGT, com a presença do ministro do Trabalho, Ricardo Nogueira. Presentes, vice-governadora Cida Borghetti, prefeito Gustavo Fruet, presidente nacional da UGT Ricardo Patah, presidente estadual da UGT Paulo Rossi, presidente do TST, ministro Ives Gandra Martins Filho, presidente do TRT, desembargador Arnor Lima Neto, e demais autoridades. Curitiba, 07/07/2016. Foto: Pedro Ribas/ANPr
O governador Beto Richa afirmou nesta quinta-feira (7), em Curitiba, durante o Seminário Nacional Jurídico da União Geral dos Trabalhadores (UGT), que neste momento de crise econômica, em que o Brasil precisa urgentemente gerar e preservar empregos, é importante valorizar mais a negociação coletiva de trabalho.
“Precisamos buscar um equilíbrio maior nas relações entre trabalho e capital. A negociação coletiva pode, sem prejudicar direitos consagrados na CLT, ser conduzida de acordo com a situação conjuntural da economia,” afirmou Richa.
O presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Ives Gandra Martins Filho, e o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, participam do seminário, que reúne mais de 400 pessoas, entre dirigentes sindicais de todo o país e advogados trabalhistas de entidades ligadas à UGT. A vice-governadora Cida Borghetti também participou da abertura do evento.
A garantia dos direitos dos trabalhadores e a flexibilização da legislação trabalhista então entre os temas do debate. O governador lembrou que, desde que a crise econômica se agravou, o poder público, os trabalhadores e as empresas vêm discutindo formas de garantir o emprego dos brasileiros. “O Estado do Paraná está do lado de quem trabalha e produz”, afirmou, ao lembrar que o Paraná tem o maior salário mínimo regional do país.
Ao final solenidade de abertura, Richa recebeu do presidente do TST uma medalha do Conselho Superior da Justiça do Trabalho. “Uma homenagem pelo bom trabalho desempenhado na área”, disse  Ives Gandra Martins Filho.
O ministro do Trabalho defendeu que a geração e manutenção dos empregos são fundamentais para o Brasil superar a crise econômica. “O empresariado precisa entender que o salário do trabalhador é investimento e não despesa. Não há comércio e produção sem dinheiro na mão dos consumidores”, afirmou. Ronaldo Nogueira falou, ainda, sobre as reformas trabalhistas e destacou o esforço do governo em combater a informalidade. “São temas relevantes que serão abordados nesse seminário. É importante o diálogo para encontrarmos uma saída para o Brasil”, afirmou.
RETOMADA DO CRESCIMENTO – Richa ressaltou que para o Brasil voltar a crescer é preciso retomar o crescimento e o consumo. Ele afirmou que o Paraná fez um ajuste que permitiu retomar os investimentos. “O Paraná fez a lição de casa e hoje tem uma situação privilegiada em relação aos demais estados brasileiros. Isso é importante para atrair investimentos que geraram milhares de empregos”, disse ele.
Para o presidente nacional da UGT, Ricardo Patah, a entidade representa a base da pirâmide trabalhista e o encontro é uma oportunidade de discutir projetos importantes, como a que amplia as terceirizações. “Precisamos estar unidos para superarmos essa crise e fazer o país voltar a crescer. Para isso, o Brasil precisa conservar os empregos e gerar novas oportunidades”, afirmou. Ele destacou o diálogo com o governador Beto Richa e ressaltou que o Paraná tem o maior salário mínimo regional do país.
DIÁLOGO –
O diálogo, afirmou o governador, é o ponto forte da gestão estadual. “Atuamos em sinergia com os sindicatos e federações de trabalhadores, como é caso destacado da UGT, e em parceria com todas as entidades representativas do setor produtivo. A UGT é hoje a mais importante central sindical brasileira porque atua com responsabilidade e respeito à democracia”, afirmou Richa.
A oportunidade aberta pelo encontro para discutir reformas trabalhistas que estão na pauta do Governo Federal foi destacada, também, pelo presidente da UGT Paraná, Paulo Rossi. “Vamos dialogar para, juntos, encontrarmos uma melhor solução. O trabalhador não pode pagar pela crise”, afirmou Rossi.
A entidade, segundo ele, está aberta à negociação. “Não fazemos sindicalismo partidário. Queremos o consenso e estamos dispostos a ver o melhor para o Brasil”, disse. Rossi falou que tem uma ótima relação com o governo estadual. “Enquanto o Rio Grande do Sul parcela os salários dos servidores, o governo estadual do Paraná paga em dia. Isso é muito importante”, disse.
Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
www.pr.gov.br e www.facebook.com/governopr

Confira a galeria de fotos desta notícia

Acesse a galeria de fotos
Recomendar esta notícia via e-mail:

CAPTCHA imageRecarregar CAPTCHA
Encontrou algum erro
Paraná informa