Outubro Rosa

Uso agrícola do lodo do esgoto completa 10 anos nas regiões de Campo Mourão e Umuarama

Confira o áudio desta notícia


Uso de lodo de esgoto na agricultura completa 10 anos na Região Noroeste  -  Foto: Sanepar
© SANEPAR

O Programa de Uso Agrícola do Lodo de Esgoto que beneficia agricultores das regiões de Campo Mourão e Umuarama está completando 10 anos de aplicação no Noroeste do Paraná. Nesse período, a Sanepar, com apoio do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-PR), destinou gratuitamente mais de 26 mil toneladas de lodo, aplicadas em 2.800 hectares de área cultivada, atendendo mais de 100 agricultores em 29 municípios da região.

Rico em matéria orgânica e nutrientes, o lodo tem sido utilizado nas culturas de amoreiras para o desenvolvimento do bicho da seda, aveia e sorgo (cobertura/palhada), na cafeicultura e no desenvolvimento de seringueiras, citrus, palmito, soja e milho.

Mas, antes de ir para o campo, o lodo é tratado com cal virgem e higienizado. Passa por análise de cerca de 70 parâmetros relacionados ao potencial agronômico, substâncias inorgânicas e orgânicas, agentes patogênicos e estabilidade, de forma a comprovar sua segurança sanitária, ambiental e qualidade agronômica. Na Região Noroeste, a Sanepar mantém unidades de gerenciamento de lodo (UGLs) em Umuarama, Cianorte, Campo Mourão, Ubiratã e Goioerê.

“Mesmo tendo grande concentração de nutrientes, o lodo não pode, por exemplo, ser aplicado em pastagens, culturas de tubérculos, raízes e em hortas”, explica o agrônomo da Sanepar na região Noroeste, Marco Aurélio Knopik. Segundo ele, é preciso seguir a legislação estadual (Sema 021/09) que rege a aplicação do lodo no Estado do Paraná.

O engenheiro agrônomo do IDR-Paraná, Antonio de Pádua Salvado, afirma que a rentabilidade e a produtividade obtidas com o uso do lodo são perceptíveis já no primeiro ano de utilização. “Na agricultura familiar, o lodo soma muito. Promove restruturação e melhorias na qualidade do solo e com custo zero”, afirma Pádua.

De acordo com ele, o lodo ajuda a equalizar o solo, exterminando as manchas e apresentando melhorias nas questões químicas. “A qualidade do lodo altera positivamente o movimento microbiano promovendo aumento da fertilidade”, ressalta.

Um dos agricultores beneficiados é Caurentino Valentim Castelli, que cultiva soja e milho e obteve, com o lodo de esgoto, aumento em torno de 10% a 15% de produtividade em comparação com o uso de outros produtos. Ele e o engenheiro agrônomo que atende sua propriedade, Murilo Castelli, afirmam que o manejo do lodo é equiparado à correção e manutenção da fertilidade do solo.

HISTÓRIA – Em 2020, a Sanepar destinou 21 mil toneladas no Estado do Paraná, o que representou uma reciclagem de 33% do lodo gerado para uso agrícola. No Brasil, apenas alguns estados destinam o lodo para fins agrícolas, sendo o percentual reciclado inferior a 5%.

A Sanepar começou as pesquisas para uso do lodo de esgoto na década de 1990 e, desde 2007, mais de 355 mil toneladas do produto foram aplicados em solos paranaenses. O objetivo do programa é dar disposição final segura e adequada para o lodo de esgoto, evitando a destinação para aterros industriais.

O Paraná adota critérios bastante restritivos na distribuição do produto a fim de evitar riscos aos agricultores e ao meio ambiente. Após a manifestação de interesse do produtor rural (pré-cadastrado), técnicos da Sanepar e do IDR-Paraná visitam a propriedade e, a partir dos dados da análise do solo, elaboram projeto agronômico com a quantidade a ser aplicada.

Mais informações sobre o programa no Estado do Paraná podem ser solicitadas pelo  e-mail lodoagricola@sanepar.com.br.

Confira a galeria de fotos desta notícia

Acesse a galeria de fotos

Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
http:///www.facebook.com/governoparana e www.pr.gov.br

Recomendar esta notícia via e-mail:

CAPTCHA imageRecarregar CAPTCHA
Encontrou algum erro
Paraná informa