Shopping diferente vai impulsionar economia e lazer em Santa Tereza do Oeste

Confira o áudio desta notícia


Santa Tereza do Oeste, município com pouco mais de 10 mil habitantes, terá, a seu próprio modo, um pequeno shopping. A solução tem nome mais burocrático, barracão comercial, mas o projeto não é nada simples. A ideia é que ele seja um espaço de convívio das famílias num complexo que contará com um centro cultural e, futuramente, será a “porta de entrada” de um passeio sobre o Parque Nacional do Iguaçu, que margeia a cidade. Foto: Jonathan Campos/ AEN
© JONATHAN CAMPOS

Santa Tereza do Oeste, município com pouco mais de 10 mil habitantes, terá, a seu próprio modo, um pequeno shopping. A solução tem nome mais burocrático, barracão comercial, mas o projeto não é nada simples. A ideia é que ele seja um espaço de convívio das famílias num complexo que contará com um centro cultural e, futuramente, será a “porta de entrada” de um passeio sobre o Parque Nacional do Iguaçu, que margeia a cidade.

O shopping é uma estrutura de um piso nas margens da BR-277 com 916,9 metros quadrados e que será repassado em forma de comodato para empresas exporem e venderem seus produtos. Esse grande bloco de estacas de concreto e tijolos terá 15 boxes com vitrines voltadas para a rodovia que conecta Curitiba a Foz do Iguaçu, a 20 quilômetros de Cascavel. Os espaços têm 61,1 metros quadrados. Todos contam com banheiros.

O projeto está sendo construído no local onde será instalado um centro cultural. Nesse espaço havia competições de rodeio e uma reforma, concluída neste mês de dezembro, ampliou a sua estrutura, que já está pronta para receber o acervo histórico municipal e novos eventos. Essa área do shopping e do centro cultural está sendo cercada em uma nova licitação, que também contempla paisagismo, marcando esse ponto como espaço de convívio e entretenimento.

O investimento da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e de Obras Públicas no barracão é de R$ 1.012.184,74 e as obras, iniciadas há dois meses, já atingiram 20% de execução. Os recursos foram liberados pelo Sistema de Financiamento aos Municípios (SFM), linha operacionalizada pelo Paranacidade e Fomento Paraná. A entrega deve ocorrer no primeiro semestre de 2021.

“É um projeto ambicioso e que está dentro do planejamento estratégico do Estado. É um município pequeno, mas com uma localização privilegiada e com o Parque Nacional do Iguaçu como pano de fundo. É uma ideia que estimulará o comércio e uma disputa sadia pela vitrine da cidade”, afirma o governador Carlos Massa Ratinho Junior.

Segundo o prefeito Elio Marciniak, a ideia é reservar os espaços centrais do barracão comercial para uma pequena praça de alimentação, com intuito de motivar a permanência das pessoas. O projeto conta, ainda, com amplo estacionamento, canteiro com árvores, bancos de espera, lixeiras e iluminação em LED.

“É um barracão comercial em uma região industrial. Essas fábricas poderão usar o espaço para expor seus produtos, mas também queremos atrair outros negócios. Esse é um novo complexo pensado para aproveitar melhor a vizinhança que temos com o Parque Nacional do Iguaçu. Possivelmente teremos uma trilha de visitação integrada ao museu, às lojas e aos restaurantes”, destaca o prefeito.

PISCINA – A ideia do investimento, que não é muito usual no Paraná, ganhou a companhia de outra obra que não costuma ser demandada ao Governo: uma piscina térmica pública. O espaço de 358,3 metros quadrados fica num complexo que já conta com um Centro da Mulher, na região central da cidade, e deve ser inaugurado também no primeiro semestre de 2021.

As obras da piscina começaram em julho deste ano e alcançaram 54% de execução em novembro. O investimento de R$ 525.446,20 também foi viabilizado pelo Sistema de Financiamento aos Municípios, coordenado pela Secretaria do Desenvolvimento Urbano e de Obras Públicas.

As duas piscinas do complexo já foram instaladas e as obras avançam neste momento para a parte de acabamento dos vestiários, da área administrativa, da cozinha, da casa de bomba e da sala reservada para guardar materiais de limpeza, os produtos que vão manter a qualidade da água e equipamentos de hidroginástica e fisioterapia.

A estrutura com pé direito alto é “vazada” em cima da piscina com um arco de metal e policarbonato, e conta, ainda, com banheiros, uma área com um gramado e bancos de espera e estacionamento. São duas piscinas: uma maior de 9 metros (comprimento) x 4 metros (largura) x 1,40 metro (profundidade) e uma menor de 4 x 2,10 x 1.

“A piscina é uma ideia que atende a Secretaria Municipal da Saúde. Hoje o idoso é tratado com muito descaso, ninguém tem tempo para ele. Dentro de casa ele fica trancado e o atendimento na saúde costuma ser apenas aquele padrão”, afirma o prefeito de Santa Tereza do Oeste. “Queremos oferecer um pouco mais de qualidade de vida com fisioterapia, exercício, convívio”.

A intenção, no entanto, é que ela seja usada de segunda-feira a sexta-feira por pessoas de várias idades. A prefeitura vai contratar professores e disponibilizar aulas de 45 minutos para grupos de 15 pessoas.

“Brigamos bastante por esse projeto. Ouvimos muitos médicos, que nos relataram os problemas musculares decorrentes do ócio, e da melhoria que seria essa piscina para esse público. Mas também estaremos abertos às crianças e aos pacientes indicados por fisioterapeutas”, completa Sandra Marciniak, secretária de Assistência Social e primeira-dama do município.

RUAS – Também estão em andamento obras de pavimentação urbana em quatro ruas em Santa Tereza do Oeste. O investimento de R$ 499.580,00 engloba quase 10 mil metros quadrados e é “sobra” de outro convênio já executado. As obras contemplam calçadas, meios-fios e sinalização.

As intervenções acontecem na Avenida Brasília (entre a Rua Ponta Porã e a Rua Anita Garibaldi); na Rua Internacional (entre a Rua Ponta Porã e a Rua Anita Garibaldi); na Rua Guarapuava (entre a Rua Internacional e a Avenida Brasília); e na Rua Anita Garibaldi (entre a Rua Internacional e a Avenida Brasília). Esses trechos tinham apenas pedras poliédricas.

Segundo Daniele Corteza, que trabalha em uma farmácia na Avenida Brasília, as principais diferenças são o quebra-molas e a sinalização. “O asfalto ajuda bastante. Moro há 15 anos na cidade e nunca tinham priorizado essa região. Também fizeram um quebra-molas que ajuda a controlar mais a velocidade. Até a pintura dá outro ar para a cidade”, afirma. “É uma via bem movimentada, precisava desse reforço”.

O aposentado Albino Vitorino da Silva vive há 30 anos na Avenida Brasília e conta que a própria família se confundiu em encontrar a sua casa depois da melhoria. “Era complicado com chuva ou com sol. É uma parte baixa da cidade, tinha pedra, então chovia e ficava uma semana com as poças d’água. Agora tem 10 centímetros de asfalto, pode passar caminhão e a gente nem nota”, afirma. “Esses dias um parente foi lá em casa e nem achou a minha casa por causa do asfalto. Mudou bastante”.

SANEAMENTO – O município que já pertenceu a Cascavel também recebe um investimento volumoso da Sanepar, na ordem de R$ 32 milhões. O objetivo é levar saneamento básico para 100% da população – atualmente esse índice está perto de 65%.

A primeira etapa contempla a Bacia do Córrego Santa Tereza, na região próxima da BR-227, e a construção de uma estação de tratamento de esgoto (ETE) com vazão média de 10 litros por segundo. Também haverá a implantação de 20 quilômetros de rede coletora, cinco quilômetros de emissário e 1,3 mil ligações.

Com a construção do sistema de coleta e tratamento do esgoto, Santa Tereza do Oeste terá duas ETEs, 41,3 mil metros de redes coletoras e 2.057 ligações prediais. Está prevista, ainda, a construção de uma elevatória de esgoto, a instalação de quase 5 mil metros de interceptores e 1,4 mil metros de linha de recalque.

Confira a galeria de fotos desta notícia

Acesse a galeria de fotos

Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
http:///www.facebook.com/governoparana e www.pr.gov.br

Recomendar esta notícia via e-mail:

CAPTCHA imageRecarregar CAPTCHA
Encontrou algum erro
Paraná informa