Outubro Rosa

Rádio - Notícias

14/01/2021

Produção de carnes tem 2020 de recordes no Paraná


O ano de 2020 foi marcado por números positivos de produção e exportação na cadeia de carnes e proteínas animais. As projeções da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento e os dados já consolidados indicam que foi o melhor ano da história nas plantas fabris e que houve salto no volume de exportações, com quase 2 milhões de toneladas comercializadas com outros países. Esse movimento foi impulsionado pelo crescimento orgânico das cooperativas e agroindústrias e da demanda no mercado interno e no mercado externo. O setor também foi positivamente impactado por programas estaduais como o Trator Solidário, Seguro Rural, Cartão Comida Boa, Descomplica Rural e o acesso a crédito. O balanço dos números consolidados foi feito pela secretaria estadual da agricultura e pela Federação da Agricultura do Estado do Paraná. De acordo com o governador Carlos Massa Ratinho Junior, o Paraná é um celeiro de grãos, se mantém forte no mercado de carnes e valoriza a agricultura familiar. O governador disse que, mesmo em um ano desafiador, o agronegócio respondeu com aumento de produção, qualidade sanitária e tecnologia, o que garantiu a segurança alimentar da população paranaense e de boa parte do mundo.// SONORA RATINHO JUNIOR.// O governador ainda destacou que as perspectivas são ainda mais otimistas para 2021 com o reconhecimento, pela Organização Mundial de Saúde Animal, de zona livre de febre aftosa sem vacinação, previsto para maio. O secretário estadual de Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, ressalta que, com as variações positivas, o Paraná se consolida, cada vez mais, como maior produtor de frangos, segundo em suínos, ovos e no mercado leiteiro e entre os dez principais produtores de carne bovina, além de um dos maiores exportadores do País.// SONORA NORBERTO ORTIGARA.// A consolidação do Descomplica Rural também ajudou a impulsionar o mercado. Apenas em 2020 foram emitidas 20.021 licenças ambientais, crescimento de 13,5% em relação a 2019. O agronegócio representa mais de 80% das exportações do Estado e mais de 34% do PIB estadual, além de 13% das exportações do agro nacional. O setor evoluiu 3,98% em negócios em 2020, somando proteínas, grãos e os demais produtos do campo, com resultado de 11 bilhões e 620 milhões de dólares líquidos. O Produto Interno Bruto do agronegócio cresceu 15,66% nos três primeiros trimestres de 2020, no comparativo com o mesmo período do ano anterior. O momento também foi impulsionado pelas cooperativas, que registraram faturamento superior a 100 bilhões de reais pela primeira vez na história em 2020. A produção industrial de alimentos, recorte que engloba a proteína animal, cresceu 9,4% no Paraná entre janeiro e outubro, na comparação com o mesmo período de 2019. Salatiel Turra, chefe do Departamento de Economia Rural, aponta que o resultado do agro paranaense tem muito a ver com a diversidade de produção e assistência técnica especializada do setor público e do setor privado.// SONORA SALATIEL TURRA.// Segundo o economista Luiz Eliezer, da Faep, o aumento da produção foi uma resposta ao aumento da demanda, tanto nacional, quanto internacional.// SONORA LUIZ ELIEZER.// A tendência é otimista para 2021. O Paraná conquistou no ano passado o reconhecimento de área livre de febre aftosa sem vacinação, concedido pelo Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, e, este ano, vai receber a outorga da Organização Mundial de Saúde Animal. O status sanitário internacional vai permitir ao Paraná praticamente dobrar as exportações de carne suína, por exemplo. Outro ativo importante do Estado é o potencial energético. O Governo do Estado e a Copel estão implementando o maior programa de trifaseamento das redes rurais da história. (Repórter: Amanda Laynes)


Recomendar esta página via e-mail: