Governador Beto Richa participa da abertura do 4º Fórum de Agricultura da América do Sul. Presentes os secretários da Agricultura, Norberto Ortigara, da Comunicação Social, Marcio Vilella, da Infraestrutura e Logística, José Richa Filho, o diretor do BRDE, Orlando Pessuti e demais autoridades. Curitiba, 25/08/2016. Foto: Pedro Ribas/ANPr

Tratados comerciais são vitais para agronegócio, diz governador

O governador Beto Richa defendeu nesta quinta-feira (29), na abertura do 4º Fórum de Agricultura da América do Sul, em Curitiba, um esforço junto aos governos nacionais e organismos multilaterais da região para aprofundar e acelerar a negociação de tratados comerciais com outros blocos econômicos, como a União Europeia.
“O investimento em infraestrutura de transporte e logística, biotecnologia, genética, agricultura digital e novas soluções integradas é fundamental para ampliar o poder de competição do agronegócio na América do Sul. Mas também precisamos priorizar essa outra frente de trabalho que é estratégica para os nossos países”, afirmou o governador, aos mais de 300 participantes do evento, de 13 países e de 21 instituições públicas e privadas.
“Sem esses acordos, nosso agronegócio, por mais produtivo que seja, continuará sendo prejudicado por barreiras sanitárias, fitossanitárias, ambientais e de outras naturezas, sem falar das punitivas alíquotas tarifárias levantadas por países cujos custos de produção são muitos mais elevados que os nossos”.
A globalização da economia, tão defendida nos mercados financeiros, disse Richa, só será um processo efetivamente genuíno depois que forem derrubadas as barreiras contra a nossa produção agrícola. “Estamos preparados para um mundo de livre concorrência, que será positivo não apenas para a América do Sul, mas para todos os povos que precisam de alimentos mais baratos e de qualidade”, afirmou o governador.
O gerente do Núcleo de Agronegócio da Gazeta do Povo e coordenador e promotor do evento, Giovani Ferreira, destacou a produção paranaense no cenário mundial e explicou os temas discutidos no debate. “O agronegócio é globalizado e a discussão também precisa ser. Hoje o Paraná é destaque e referência em agricultura para toda América Latina”, afirmou. Ele citou que o Estado é líder de produção de frango, café, soja e milho, por exemplo.
VANGUARDA – Historicamente, a agricultura tem caráter estratégico para o desenvolvimento sul-americano, mantendo-se como alavanca central do processo de desenvolvimento não apenas na criação de emprego e renda, mas sobretudo no equilíbrio da balança comercial. Segundo o governador, nas últimas décadas, a agricultura também assumiu um papel de vanguarda na geração de tecnologia e de inovação científica e na preservação do meio ambiente, graças aos investimentos feitos pelo agronegócio em cooperação com instituições de pesquisa.
“No Paraná, a bem sucedida parceria entre o agronegócio e o governo estadual trouxe resultados extraordinários”, disse “Com apenas 2% do território nacional, o Paraná é hoje o terceiro maior exportador agrícola do País, respondendo por quase 20% da produção brasileira de grãos e agora consolidado como a quarta maior economia estadual do Brasil. Somos o maior produtor nacional de trigo e o segundo produtor de soja e de milho”.
Para o secretário de Estado da Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara, o Paraná precisa participar e se aprofundar no debate desses assuntos para aproveitar todas as chances de expansão no mercado internacional. “O Paraná é tido como o principal espaço agrícola do Brasil, que tem a possibilidade de ser o grande supridor de alimentos do mundo. O setor precisa superar as dificuldades e avançarmos na qualidade da nossa produção”, afirmou.
Segundo ele, o evento pode contribuir para explicitar novas possibilidades reais e as necessidades de superação de entraves, especialmente de infraestrutura. “O Estado consolida sua posição entre os líderes na produção agropecuária nacional com a promoção deste fórum porque, entre os temas em discussão, está a conquista de novos mercados para a proteína animal”, disse Ortigara.
APOIO - Nos últimos cinco anos, disse Richa, a agência paranaense do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) financiou cerca de US$ 1,5 bilhão em projetos do agronegócio, que já representa 35% do PIB paranaense. “Projetos ligados à agroindústria, ampliação de instalações, armazenagem, compra de máquinas e equipamentos, irrigação, pesquisa e tecnologia no campo. O agronegócio também foi essencial para o êxito do nosso programa de investimentos, o Paraná Competitivo, que atraiu mais de US$ 10 bilhões na instalação e ampliação de novas empresas em todo o Estado”, disse Richa.
“O BRDE tem sido estratégico no fortalecimento da economia paranaense, especialmente do agronegócio. Isso é um fator de geração de emprego e renda em todos os seguimentos. Somos um grande parceiro de quem produz no Estado”, afirmou o diretor administrativo do BRDE, Orlando Pessuti.
COOPERATIVAS – O êxito do agronegócio também está indissociavelmente ligado à força das cooperativas e seus cooperados, segundo o governador. Ele lembrou que as maiores cooperativas do País estão instaladas no Paraná, onde o setor teve um faturamento de cerca de US$ 20 bilhões em 2015 e planeja dobrar este número nos próximos seis anos.
PROMISSORAS - As perspectivas para o agronegócio paranaense são bastante promissoras, afirmou Richa. Lembrou que, em maio, a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) reconheceu o Paraná como área livre da peste suína clássica, abrindo caminho para a conquista de novos mercados. “Mais recentemente, retomamos mercados importantes, com a exportação de carnes para a Rússia e o Irã, consolidando a posição do Paraná rumo ao status de área livre de aftosa sem vacinação, que devemos alcançar em breve”, disse.
“Para reconquistar esses mercados, investimos na defesa agropecuária, na sanidade animal e vegetal. Fizemos vários investimentos na malha viária estadual, nas estradas rurais e especialmente no porto de Paranaguá, hoje o mais competitivo do País; estimulamos a diversificação da agropecuária e incentivamos a pequena agricultura familiar”, ressaltou o governador.
NOVA ESTRATÉGIA – O Fórum de Agricultura da América do Sul (Agricultural Outlook Forum 2016), promoção do jornal Gazeta do Povo, que prossegue nesta sexta-feira (26), reúne representantes de todos os elos da cadeia produtiva da região. O tema desta edição é “Nova estratégia, para uma nova agricultura”, abordado por 30 especialistas de 10 países, oriundos de regiões como China, Ásia, Europa, Estados Unidos e, claro, da América do Sul.
Participam entidades como a Organização Mundial do Comércio (OMC), o Instituto Interamericano para a Cooperação Agrícola (IICA), a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO/ONU), as Bolsas de Chicago (EUA) e de Rosário (AR), bem como o Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) e a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Paraná.

Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
http:///www.facebook.com/governoparana e www.pr.gov.br
Governador Beto Richa participa da abertura do 4º Fórum de Agricultura da América do Sul. Presentes os secretários da Agricultura, Norberto Ortigara, da Comunicação Social, Marcio Vilella, da Infraestrutura e Logística, José Richa Filho, o diretor do BRDE, Orlando Pessuti e demais autoridades. Curitiba, 25/08/2016. Foto: Pedro Ribas/ANPr
Acesse a galeria de fotos
Recomendar esta notícia via e-mail:
Encontrou algum erro