Obras da Indústria  Klabin em Ortigueira.Foto: Jonas Oliveira

Investimentos industriais aquecem economia dos municípios paranaenses

Os empregos gerados pelas indústrias incentivadas pelo programa Paraná Competitivo, do Governo do Estado, movimentam a economia de diversos municípios, em todo o Estado. São exemplos Palmeiras, Ponta Grossa, Ortigueira, Barracão. Moradores, comerciantes e secretários municipais da indústria e comércio destacam benefícios como aquecimento do comércio e do mercado imobiliário, qualificação profissional e aumento da arrecadação municipal.
Levar desenvolvimento, empregos e oportunidades para o interior do Paraná é um dos objetivos do Paraná Competitivo, criado em 2011 e que apoia, com incentivos fiscais, os novos empreendimentos que se instalam no Estado e a ampliação de plantas já existentes. Em quatro anos, o programa contabiliza a atração de mais de R$ 35 bilhões em investimentos. Do total de investimentos já consolidados, 75% estão no interior
Em Palmeira, cidade com cerca de 32 mil habitantes nos Campos Gerais, a construção da unidade da fornecedora de peças para o setor automotivo, CCS Tecnologia, vem movimentando a economia da cidade desde o ano passado. A empresa está investindo R$ 30 milhões na unidade que vai gerar 300 empregos diretos.
Segundo o secretário da Indústria e Comércio de Palmeira, Jaudeth Hajar, as obras estão em fase final e já há mais de 100 funcionários contratados. "Percebemos melhorias em todos os setores. Mais empregos, oportunidades para o comércio local, restaurantes, vigilância e serviços em geral. Lojas de material de construção estão vendendo muito bem", cita.
Em Palmeira, a CCS Tecnologia e outras empresas da região fizeram uma parceria com o Senai para a implantação de cursos técnicos na cidade, assegurando mão de obra treinada e qualificada. "Essa mão de obra qualificada vai facilitar a vinda de outras empresas para a cidade", prevê o secretário de Palmeira.
Jaudeth destaca, ainda, que houve uma forte valorização no preço das casas e terrenos na cidade. "Está vindo gente de fora e houve uma forte valorização dos imóveis e do mercado imobiliário em geral de Palmeira".
PONTA GROSSA - O aquecimento no setor imobiliário também ocorre em Ponta Grossa. A cidade contabiliza R$ 3,3 bilhões de investimentos industriais, beneficiados pelo Paraná Competitivo. "A cidade está com um mercado bem aquecido, com a construção de novos empreendimentos horizontais e verticais. É um reflexo direto desse processo de industrialização", salienta Nilton Fior, presidente da Associação Comercial e Industrial de Ponta Grossa (ACIPG).
Entre as indústrias que estão se instalando em Ponta Grossa está a Ambev. A multinacional de bebidas constrói uma unidade com investimentos de R$ 580 milhões. As obras, que estão aceleradas, empregam cerca de 1 mil trabalhadores. Em funcionamento a unidade deve gerar 500 empregos diretos e indiretos.
" Ponta Grossa está importando mão de obra da região para atender as demandas dos setores comerciais e industriais, em especial, trabalhadores da construção civil e montadores industriais", afirma Nilton Fior.
REFORÇO NA ARRECADAÇÃO - Um reflexo esperado a médio prazo é um reforço nos cofres do município. Cálculos da prefeitura apontam que o orçamento municipal deve dobrar nos próximos anos, chegando a mais de R$ 1 bilhão.
O fortalecimento das contas públicas também é aposta da prefeitura de Ortigueira para os próximos anos. A prefeita do município de 24 mil habitantes, Lourdes Banach, ainda não tem estimativas do aumento, mas está confiante que o orçamento municipal "dará um bom salto" nos próximos anos. A multinacional Klabin investe cerca de R$ 7 bilhões na construção da fábrica de celulose na cidade.
Hoje o orçamento de Ortigueira é de R$ 46 milhões por ano. A prefeita explica que parte do Imposto Sobre Serviço (ISS) gerado pela construção da unidade já está entrando na conta da prefeitura. O Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) começará a ser arrecadado com início da operação da unidade da Klabin, prevista para primeiro trimestre 2016.
Hoje, a obra emprega cerca de 5,5 mil pessoas e deve chegar ao 8,5 mil trabalhadores no pico da obra. Cerca de 85% dos trabalhadores são paranaenses e a grande maioria moradora de Ortigueira e municípios da região. Quando entrar em atividade, a unidade de Ortigueira vai criar 1,4 mil postos diretos de trabalho.
Toda essa movimentação já tem reflexos na economia da cidade. Segundo Lourdes, diversos comerciantes e moradores estão ampliando seus negócios e casas. "Percebemos a melhoria na qualidade de vida das pessoas, que estão construindo mais, comprando carros e melhorando financeiramente", explica.
DIVERSIFICAÇÃO - Em Barracão, no Sudoeste do Estado, com cerca de 10 mil habitantes, a instalação da fábrica de sorvetes dos Los Paleteros é a aposta para o início da diversificação da economia da cidade. Baseada na agricultura, confecções e calçados, a economia de Barracão vê na recém-inaugurada unidade uma oportunidade para atrair novos indústrias do ramo alimentício.
Para isso, o secretário municipal da Indústria e Comércio, Celso Luiz Reineri, afirma que a prefeitura já busca novos terrenos para criar um distrito industrial. "Estamos perdendo indústrias interessadas em se instalar aqui por falta de área adequada", afirma.
O secretário afirma que o início da produção Los Paleteros, que investiu R$ 9,5 milhões e está gerando cerca de 160 empregos diretos e indiretos, criou novas oportunidades de negócio no município. "Se há emprego, há geração de renda e movimentação da economia", ressalta ele.
Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
www.pr.gov.br e www.facebook.com/governopr
Obras da Indústria  Klabin em Ortigueira.Foto: Jonas Oliveira
Acesse a galeria de fotos
Recomendar esta notícia via e-mail:
Encontrou algum erro
Paraná informa