Governador Beto Richa participa da inauguração do Museu do Holocausto, em Curitiba. 20-11-2011 – Foto:AENotícias

Paraná abriga primeiro Museu do Holocausto do País

Curitiba abriga a partir deste domingo o primeiro museu do Brasil dedicado ao resgate da memória do holocausto de judeus durante a Segunda Guerra Mundial. O Museu do Holocausto, inaugurado com a presença de lideranças da comunidade israelita e do governador Beto Richa, pretende ser um espaço não apenas de registro histórico, mas de educação, conscientizando as novas gerações para os riscos da intolerância. “Curitiba e o Paraná são agradecidos à comunidade israelita por esse presente que é o museu, um espaço pioneiro e muito importante para fomentar o debate e a conscientização acerca dos direitos humanos, contra todas as formas de violência, intolerância e preconceito”, disse Richa.
O governador afirmou que o museu soma-se a outras “inestimáveis contribuições da comunidade israelita para o desenvolvimento econômico e social do Paraná e de Curitiba”. “É um espaço que serve de homenagem às vítimas do holocausto, sobreviventes e familiares, mas também contribui para que esse episódio cruel da história não seja esquecido e seja conhecido pelas novas gerações, para que nunca mais se repita”, disse Richa.
Instalado no bairro Bom Retiro, o Museu do Holocausto reúne documentos, peças históricas e fotografias, em grande parte cedidos por sobreviventes e seus familiares. Segundo o presidente da Associação Casa de Cultura Beit Yaacov, Miguel Krigsner – um dos idealizadores do espaço – , foram identificados 82 nomes de sobreviventes do holocausto que viveram no Paraná, 15 dos quais ainda vivos. Eles foram representados na solenidade por Ben Abraham, de 86 anos, que vive no Brasil desde 1954.
O museu será aberto ao público a partir de fevereiro de 2012 e, segundo Krigsner, terá um programa pedagógico voltado para escolas. O presidente da Confederação Israelita Brasileira, Claudio Lottemberg, parabenizou a comunidade judaica do Paraná pela iniciativa. “É uma iniciativa do Paraná, mas todo o Brasil ganha com ela”, afirmou. Segundo Lottemberg, o museu representa o fortalecimento da lembrança de algo que envergonha a humanidade, mas vai além ao fomentar uma discussão mais ampla sobre a intolerância. “Há muitos outros episódios na história de pessoas que tiveram suas vidas abolidas porque pensaram diferente. Podemos lembrar o relacionamento com os índios no período colonial do Brasil”, afirmou.
Também presente à inauguração, a ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Maria do Rosário, disse que o museu tem um objetivo nobre e necessário, “de universalizar o tema da luta contra a intolerância, utilizando o holocausto como um exemplo de algo que jamais a humanidade deveria viver”.
Também participaram da solenidade o vice-governador e secretário da Educação Flávio Arns; o prefeito de Curitiba, Luciano Ducci; o embaixador de Israel no Brasil, Rafael Eldad; o cônsul de Israel em São Paulo, Ilan Sztulman; o presidente da Federação Israelita no Paraná, Manoel Knophfolz; deputados federais e estaduais, vereadores, entre outras autoridades.

Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
http:///www.facebook.com/governopr e www.pr.gov.br
Governador Beto Richa participa da inauguração do Museu do Holocausto, em Curitiba. 20-11-2011 – Foto:AENotícias
Acesse a galeria de fotos
Recomendar esta notícia via e-mail:
Encontrou algum erro