Pesquisador propõe mudança em estudo centenário de espécie de planta

Estudar a árvore genealógica de plantas e propor a modificação em um estudo centenário. De forma resumida, é isso o que fez o pesquisador Elson Felipe Sandoli Rossetto, bolsista técnico do Herbário da Universidade Estadual de Londrina (UEL), do Centro de Ciências Biológicas (CCB). Em artigo recente, publicado na revista internacional PhytoKeys, ele propôs uma nova classificação para espécies até então reconhecidas no gênero Pisonia, com base na sua história evolutiva.

Em conjunto com o pesquisador Marcos A. Caraballo-Ortiz, do Instituto Smithsoniano, dos Estados Unidos, eles reestabeleceram o nome de dois gêneros: Ceodes e Rockia. Com a proposta, ambos terão seus nomes incluídos aos nomes científicos das espécies transferidas para esses gêneros.

Pisonia, Ceodes e Rockia são gêneros de plantas encontrados em ilhas dos oceanos Pacífico e Índico. O Rockia, por exemplo, tem uma espécie que só ocorre nas ilhas do Havaí. Como ponto semelhante todos possuem frutos seco em consistência e produção de viscosidade.

Essas e outras características os colocaram apenas em um gênero, o Pisonia. Entretanto, o recente estudo apontou que elas diferem quanto ao ancestral comum, por isso foram reclassificadas e tiveram os nomes "ressuscitados" na comunidade científica.

O trabalho é derivado da dissertação de mestrado em taxonomia de plantas, na Pós-graduação em Ciências Biológicas, do CCB, defendida em 2016. A pesquisa "Filogenia da tribo Pisonieae Meisn. (Nyctaginaceae): delimitação genérica e evolução de caracteres morfológicos" teve orientação do professor José Eduardo Lahoz da Silva Ribeiro, do Departamento de Biologia Animal e Vegetal, do Centro de Ciências Biológicas (CCB).

ESTUDO - O artigo retomou a classificação do gênero Pisonia, feita pelo austríaco Anton Heimerl, há mais de 100 anos. Ele dividiu nos três gêneros citados, alegando diferenças nas flores e pólen. Na década de 1960, porém, o holandês J. F. Stemmerik os colocou novamente em um só gênero, com base em uma decisão subjetiva.

Apesar de terem frutos secos e com secreção viscosa, elas se diferenciam morfologicamente pela flor, mas o pesquisador não considerou tal característica.



Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
http:///www.facebook.com/governoparana e www.pr.gov.br
Recomendar esta notícia via e-mail:

CAPTCHA imageRecarregar CAPTCHA
Encontrou algum erro