Construção de um túnel de 1,2 mil metros de extensão e oito metros de diâmetro, saindo do Parque de Exposições Jayme Canet Júnior e seguindo até o Rio Marrecas, pouco à frente do bairro Padre Ulrico. O túnel vai agilizar o escoamento da água para evitar que outros rios sejam represados e provoquem alagamentos na cidade de Francisco Beltrao. Foto: Geraldo Bubniak/AEN
Foto: Foto: Geraldo Bubniak Acesse a galeria de fotos

Túnel sob Francisco Beltrão vai acabar com cheias históricas

Três explosões por dia em dois pontos distintos e trabalho ininterrupto de escavação são os únicos caminhos para abrir um túnel de 1,2 quilômetro de extensão e 8 metros de altura dentro de Francisco Beltrão, no Sudoeste do Paraná. Ele ficará 62 metros abaixo do nível da vida urbana, na cota máxima, e será responsável por auxiliar o escoamento das águas do Córrego Urutago em direção ao Rio Marrecas.

O túnel vai evitar, de uma vez por todas, as enchentes que são parte da história do município e que já geraram perdas sociais e financeiras incalculáveis para os moradores.

As obras começaram em dezembro do ano passado, partem de duas frentes e vão se encontrar no miolo. No Parque de Exposições Jayme Canet Júnior está localizado o emboque, onde o túnel já avançou 140 metros, e no bairro Padre Ulrico, à beira do Marrecas, está o desemboque, onde a escavação já alcançou 520 metros. O investimento do Governo do Estado é de R$ 29 milhões nesse projeto, inédito em uma cidade do Interior do País.

“Essa é uma obra debatida há muitos anos dentro do município e que resolverá os problemas com as cheias dos rios que passam no perímetro urbano. Francisco Beltrão conseguiu encontrar uma solução ousada, dentro do escopo ambiental necessário, e conta com apoio do Estado”, afirma o governador Carlos Massa Ratinho Junior. “É uma obra marcante e que conseguimos priorizar dentro das necessidades do Sudoeste”.

Segundo o prefeito Cleber Fontana, Francisco Beltrão perdeu muitos investimentos ao longo da história com problemas das enchentes. “Esse projeto é um marco na história do Paraná. Estamos construindo um túnel, escavado em rocha dentro da cidade para acabar com as cheias. Geralmente os túneis são rodoviários e ou para geração de energia”, afirma.

Ele explica que nos dias de chuva o Rio Marrecas enche e faz pressão negativa nos outros rios. “Já perdemos muito com isso, é uma ferida aberta. Essa questão será definitivamente resolvida”, destaca o prefeito.

O túnel é a primeira fase da estratégia de contenção, que engloba investimento total de R$ 50 milhões. Há, ainda, outras duas etapas. Uma delas é o aprofundamento e alargamento do Rio Marrecas no perímetro urbano, o que o deixará retilíneo e estável, somado a um projeto de um parque linear com ciclovias, calçada, iluminação pública e academias ao ar livre.

A segunda etapa será a construção de uma barragem com as rochas retiradas do túnel fora do perímetro urbano, a cerca de 1,5 quilômetro do ponto em que o rio entra no município em direção à nascente (a montante), em Marmeleiro.

“As duas primeiras etapas resolvem 95% dos problemas das cheias, e são as que ficarão prontas nos próximos meses. É uma obra que foi planejada levando em consideração o ponto mais alto da pior enchente da história. Esse novo túnel ajudará a dar escoamento necessário para as águas da área central, para liberar a vazão”, acrescenta o prefeito. “Com esse problema solucionado, os imóveis dos beltronenses serão valorizados”.

TÚNEL – As obras completas do túnel atingiram 50% de conclusão no começo de julho. Uma das etapas é a construção do canal de aproximação e o alargamento do Córrego Urutago, que vai alcançar a comporta de entrada no Parque de Exposições.

Houve algumas intervenções nessa área, mas essas obras foram suspensas em decorrência da pandemia porque aconteciam em perímetro urbano e incluíam a remoção temporária das pessoas de suas casas.

Esse canal terá 14 metros de largura quando chegar à entrada do túnel, no Parque de Exposições. No emboque já foi retirado um paredão de 12 metros de largura por 17,5 metros de altura e de profundidade, onde já é visível a entrada do túnel. Foram 15 detonações no emboque, todas cobertas por camadas de lonas (conjunto de pneus que pesa três toneladas, com 3 metros de largura por oito metros de comprimento) para evitar que as rochas subissem.

O túnel do parque já tem 140 metros e o do bairro tem 520 metros. As obras acontecem com ritmo diuturno. O trajeto projetado para as águas nos dois lados tem, nesse momento, 5 metros de altura por 5 metros de largura, mas depois que as obras se encontrarem no miolo haverá um rebaixamento do solo em mais 3 metros, gerando os 8 metros de altura do projeto original.

O túnel fica a 62 metros no ponto mais alto embaixo da terra e terá capacidade de vazão de 285 metros cúbicos por segundo. Do emboque ao desemboque o túnel será no formato de uma rampa com inclinação mínima de 0,5% para as águas não alcançarem muita velocidade. A diferença da entrada para a saída será de 6 metros, quando as águas encontrarão o Rio Marrecas.

O ciclo de escavação do túnel é composto por perfuração na rocha com jumbo (máquina de perfuração projetada para esse tipo de obra), processo que leva entre duas e três horas; e carregamento dos explosivos nos buracos estratégicos, executado a partir de um caminhão bombeado, ou seja, o material só se torna efetivamente explosivo depois de misturado já dentro do túnel, processo que demora mais uma hora.

O procedimento tem continuidade com a retirada das equipes; alertas sonoros; detonação em si, com avanço médio de cerca de 3 metros na rocha; pausa para os gases saírem do ambiente; limpeza com a carregadeira e os caminhões das rochas caídas; avaliação do resultado, com o chamado abatimento de choco (retirada das rochas prestes a cair do teto e das laterais); e tratamento para continuar o ciclo a partir de concreto projetado ou tirante (barras de metal com resina fixadas no ambiente).

As detonações levam em consideração a resolução 9.653/2018 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), que regula as explosões de minerais em perímetro urbano. Todas elas são controladas com sismógrafo de engenharia. O gráfico base parte de um valor de vibração de 15 milímetros por segundo até 50 milímetros por segundo, que é o máximo que uma construção suporta. Todas as detonações foram abaixo dos limites.

As obras do túnel têm data de encontro prevista para 10 de outubro, e conclusão, já com rebaixamento e nivelamento, para dezembro deste ano. “É uma das maiores obras para contenção de cheias no País e avança em bom ritmo. Não há uma obra desse porte fora das capitais. Vai ser um marco na história de Francisco Beltrão”, resume o engenheiro de minas Lucas Partelli, responsável pela obra e que tem mais de dez túneis no currículo.

ORIGEM – Francisco Beltrão está localizado em um encontro de bacias, o que pressupõe como condição natural que as chuvas nos municípios vizinhos impactam diretamente o fluxo das águas em sua direção. A maior é a do Rio Marrecas, que corta a cidade ao meio e deságua no Rio Chopim, em direção ao Rio Iguaçu. Já na parte Oeste, a bacia hidrográfica é a do Rio Jaracatiá, que deságua diretamente no Rio Iguaçu, próximo ao município de Nova Prata do Iguaçu.

A prefeitura tentou alternativas para resolver esse problema ao longo do tempo, como limpeza e rebaixamento dos fundos dos rios na área urbana, mas elas nunca foram definitivas.

Dessa união de concepção do problema com a necessidade de estancamento surgiram, em 2016, estudos preliminares no antigo Instituto das Águas do Paraná (atual Instituto Água e Terra) para a construção de um túnel. A ideia foi encontrar um ponto em que a distância não fosse muito longa e em que o solo permitisse a escavação. Nesse local foi feita uma análise das maiores precipitações da história do município e em mais de um dia, para que o túnel projetado suportasse chuvas de 200 ou 300 milímetros.

“A dificuldade em Francisco Beltrão é que quando o Rio Marrecas sai da caixa natural invade as ruas, as casas, e impede o fluxo natural dos córregos menores, como Urutago, Lonqueador, Progresso, que também saem de suas caixas. Esses estudos preliminares geraram um convênio, que resultou na formatação das obras”, explica o secretário de Administração de Francisco Beltrão, Antonio Carlos Bonetti.

“O túnel é um projeto pioneiro no Paraná. É a alternativa mais viável porque ele faz um corte no meio do município. Criamos um canal novo e ao mesmo tempo uma solução duradoura”, complementa José Luiz Scroccaro, diretor de Saneamento e Recursos Hídrico do Instituto Água e Terra. “O Paraná é extremamente rico em questão de rios e bacias hidrográficas. Essa é uma forma de aproveitar essa estrutura e ao mesmo tempo cuidar dos impactos urbanos”.

Box

Estado investe em sistemas de drenagem em outros municípios

Além das obras em Francisco Beltrão, a Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo investe em outros sistemas de drenagem para apoiar os municípios. Entre as principais obras estão o controle de cheias na Bacia do Rio Palmital (Pinhais-Colombo) e no Rio Mascate (Fazenda Rio Grande), além de tubulações destinadas diretamente para intervenções urbanas.

A obra no Rio Palmital é composta por seis bacias de detenção às margens das águas. Duas grandes bacias (IR01-05A e IR01-05B) estão localizadas em Pinhais. O controle de cheias foi concluído, mas ainda está em execução a complementação do Parque Palmital, cujo valor alcança R$ 16,2 milhões.

As demais bacias estão situadas em Colombo (IR01-07, IR01-01, IR01-02B e IR01-02ª). As obras já foram licitadas e três estão aptas a iniciar, restando apenas autorização do Ministério de Desenvolvimento Regional. O valor global é estimado em R$ 29,3 milhões, com mais R$ 17,1 milhões em indenizações.

O empreendimento faz parte do Plano Diretor de Drenagem do Alto Iguaçu e compreende a conformação da Foz Rio Palmital e a bacia RP-06, que consta no Plano Diretor de Drenagem do Município de Pinhais, cujos valores previstos são de R$ 10,6 milhões, mais indenização de R$ 3,2 milhões. A obra tem como finalidade beneficiar diretamente a população ribeirinha que sofre em períodos de chuvas.

O empreendimento do Rio Mascate está dividido em duas etapas: a primeira, de macrodrenagem, está orçada em R$ 5,2 milhões, sem indenizações, e a execução iniciará assim que o Ministério do Desenvolvimento Regional autorizar o início da obra; e uma segunda, de R$ 3,2 milhões (mais R$ 1,7 milhão de indenizações), para melhorar a vida das pessoas mais prejudicadas com a ocorrência de enchentes.

Outra obra de drenagem envolve aproximadamente R$ 150 milhões. Trata-se do projeto de sistema de drenagem pluvial urbana para os municípios de Guaratuba e Pontal do Paraná, no Litoral, com um sistema de canaletas. Nos dias de chuva e maré meteorológica, o aumento do oceano empurra de volta aos rios, os canais e as fossas, fazendo seus conteúdos extravasarem. A solução adequada é um sistema de canais associado com a microdrenagem das ruas, e a implantação da rede coletora de esgotos.

A Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo também destinará cerca de R$ 50 milhões para adquirir tubos para drenagem junto aos municípios. Aproximadamente 250 cidades já foram atendidas com R$ 13,9 milhões e há 650 novos pedidos sob análise na pasta.

CONFIRA O ESPECIAL PARANÁ EM OBRAS

Modernização do aeroporto de Cascavel é estratégica para o Oeste

Novo reservatório de Cascavel será entregue em agosto

Nova ponte viabiliza importante eixo de crescimento de União da Vitória

Asfalto na PR-912 garante novos tempos a Coronel Domingos Soares

Segunda ponte de Foz do Iguaçu tem ritmo intenso de obras

Paraná Trifásico abre espaço para agropecuária crescer mais

PCH Bela Vista está com 50% das obras concluídas

Prefeitura de Carambeí terá sede própria após 25 anos de aluguel

​Rua do Mate valoriza a cultura e a produção de São Mateus do Sul

Investimento do Governo melhora a cidade e a vida em Arapongas

PR-323 vai ganhar novo trecho duplicado para salvar vidas

Aguardada há 30 anos, duplicação da PR-445 impulsiona o Norte do Estado

Londrina avança para universalização do tratamento de esgoto

Pavimentação da PR-364 já muda vida de quem vive no Centro-Sul

Barracão vai se transformar na casa da inovação de Londrina

São João do Triunfo recebe casas novas após quase 30 anos

Rebouças ganha projeto pioneiro de requalificação urbana

Novo contorno rodoviário de Pato Branco fortalece o desenvolvimento do Sudoeste

Pavimentação de estradas rurais muda o cenário nos municípios



Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
http:///www.facebook.com/governoparana e www.pr.gov.br
Construção de um túnel de 1,2 mil metros de extensão e oito metros de diâmetro, saindo do Parque de Exposições Jayme Canet Júnior e seguindo até o Rio Marrecas, pouco à frente do bairro Padre Ulrico. O túnel vai agilizar o escoamento da água para evitar que outros rios sejam represados e provoquem alagamentos na cidade de Francisco Beltrao. Foto: Geraldo Bubniak/AEN
Acesse a galeria de fotos
Recomendar esta notícia via e-mail:

CAPTCHA imageRecarregar CAPTCHA
Encontrou algum erro
Paraná informa