Em 2015, a família dos primos Eili Al Housh, 12 anos, e Daniel Al Saad, 11 anos, deixaram a cidade de Damasco, na Síria, fugindo da guerra civil, e vieram ao Brasil em busca de um recomeço. Eles escolheram o Paraná por recomendação de conterrâneos que vivem aqui. Hoje, já adaptados, reconhecem que o acolhimento com que foram recebidos no Colégio Estadual Júlia Wanderley foi fundamental para superar a barreira da comunicação.  Foto: Divulgação/SEED

Rede estadual atende mais de 4 mil alunos estrangeiros

Atualmente, mais de 4 mil estudantes estrangeiros migrantes, refugiados ou apátridas, de 76 nacionalidades, estão matriculados na rede estadual de ensino do Paraná. Esse número engloba alunos do ensino regular, na Educação de Jovens e Adultos (EJA) e no Curso de Português para Falantes de Outras Línguas, por meio do Centro de Línguas Estrangeiras Modernas (Celem).

Todo migrante que vem ao Brasil, em suas diferentes condições, tem direito à escolarização e ao acesso à educação básica. No processo de adaptação em um novo país, o desafio imposto pela língua se destaca. Por isso, para facilitar a adaptação e a compreensão dos novos alunos, o Paraná também oferece cursos de Língua Portuguesa para não falantes da língua.

“O domínio do idioma é importantíssimo para a integração dessa população na sociedade brasileira pois, quanto melhor se comunicar em português, maior a facilidade para usufruir das oportunidades, não só do mercado de trabalho, como para vivenciar a rotina na cultura, transporte, saúde”, explica Joice Barbaresco, representante da Secretaria de Estado da Educação no Conselho Estadual dos Direitos dos Refugiados, Migrantes e Apátridas do Paraná.

DAMASCO PARA CURITIBA – Em 2015, a família dos primos Eili Al Housh, 12 anos, e Daniel Al Saad, 11 anos, deixaram a cidade de Damasco, na Síria, fugindo da guerra civil, e vieram ao Brasil em busca de um recomeço. Eles escolheram o Paraná por recomendação de conterrâneos que vivem aqui. Hoje, já adaptados, reconhecem que o acolhimento com que foram recebidos no Colégio Estadual Júlia Wanderley foi fundamental para superar a barreira da comunicação.

“No início eu era quieto, ficava sozinho porque não falava o idioma, mas com o tempo fui aprendendo, os professores foram pacientes e explicaram bem devagar até que eu aprendi”, diz Eili, num português que não fica devendo nada aos falantes nativos.

“Minha principal dificuldade no início foi entender o que as pessoas diziam porque o brasileiro fala muito rápido, mas as professoras foram atenciosas e eu consegui aprender rápido. Aqui é uma escola muito boa, é onde estão meus amigos agora”, contou Daniel.

DO MUNDO – Além de alunos que migraram para o Paraná em busca de uma nova vida, o Colégio Júlia Wanderley também recebe estudantes intercambistas da Holanda, Alemanha, Itália e Estados Unidos, entre outros países, que vêm ao Paraná para aprender português. Segundo a diretora auxiliar do colégio, Valéria Meller Pereira da Silva, o intercâmbio proporciona uma grande troca cultural e de conhecimentos entre os estudantes brasileiros e os estrangeiros.

“Eles contam um pouco da cultura do seu país e aprendem a nossa, também ajudam os colegas com assuntos que já viram em suas escolas”, diz Valéria. “Essa experiência enriquece não apenas o vocabulário de quem está aprendendo um novo idioma, mas também abre um leque de possibilidades para os alunos que passam a ver o mundo de outra maneira. Já os professores absorvem um pouco de como é a educação nesses países”, conta.

DIREITO À ESCOLARIZAÇÃO - O acesso pleno à educação em todos os níveis e modalidades de ensino é garantido aos estudantes estrangeiros de acordo com a deliberação n°09/01 do Plano Estadual de Educação. O aluno migrante que chega ao Paraná sem nenhum documento que comprove sua escolaridade, mas quer estudar, tem três maneiras de ingressar no ensino regular: Classificação; Matrícula na série compatível com a idade e Equivalência e a Revalidação de Estudos Incompletos.

O primeiro passo é verificar o nível de conhecimento da Língua Portuguesa por meio de uma prova de classificação. Se o aluno comprovar que consegue se expressar e se comunicar em português, ele é encaminhado para o ano ou série referente à etapa de ensino condizente ao conhecimento que ele apresentar na prova.

Se o estudante não fala suficientemente o português, então é matriculado em série compatível com a sua idade e, junto com a matrícula da escola, pode fazer também o curso Português para Falantes de Outras Línguas (Pfol), oferecido pelo CELEM. O curso, aliás, é aberto à comunidade e pode ser feito por toda a família.

“Já se for o caso de o aluno trazer um certificado do país de origem, a escola faz uma análise para verificar qual a equivalência do aluno, ou seja, o que ele já aprendeu e o que equivale ao sistema de ensino brasileiro”, explica coordenadora da Educação de Jovens e Adultos da secretaria, Marcia Dudeque.
Box
Governo do Paraná apoia estrangeiros que buscam novas oportunidades

O Centro de Informação para Migrantes, Refugiados e Apátridas do Paraná (Ceim-PR) presta apoio e atendimento aos estrangeiros que buscam uma nova oportunidade de vida no Brasil. A unidade é vinculada à Secretaria de Justiça, Família e Trabalho e funciona há quase dois anos.

Só nos três primeiros meses deste ano, 1.068 pessoas foram atendidas com orientação e acesso às diversas políticas públicas do Estado. A unidade acolhe e orienta os imigrantes e faz os encaminhamentos necessários, como, por exemplo, auxílio para buscar um emprego.



Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
http:///www.facebook.com/governoparana e www.pr.gov.br
Em 2015, a família dos primos Eili Al Housh, 12 anos, e Daniel Al Saad, 11 anos, deixaram a cidade de Damasco, na Síria, fugindo da guerra civil, e vieram ao Brasil em busca de um recomeço. Eles escolheram o Paraná por recomendação de conterrâneos que vivem aqui. Hoje, já adaptados, reconhecem que o acolhimento com que foram recebidos no Colégio Estadual Júlia Wanderley foi fundamental para superar a barreira da comunicação.  Foto: Divulgação/SEED
Acesse a galeria de fotos
Recomendar esta notícia via e-mail:
Encontrou algum erro
Paraná informa