Operação verãoMais de 80% dos afogamentos ocorrem em áreas em que há corrente de retorno. O Corpo de Bombeiros do Paraná alerta que esse fenômeno é um perigo difícil de ser identificado pelos banhistas. No Litoral do Estado; esses pontos estão geralmente demarcados com placas de perigo colocadas pelos guarda-vidas  -   Operação Verão; 01/02/2019.  -  Foto: Jaelson Lucas /ANPr
Foto: Jaelson Lucas Acesse a galeria de fotos

80% dos afogamentos no mar são em área com corrente de retorno

Mais de 80% dos afogamentos ocorrem em áreas em que há corrente de retorno. O Corpo de Bombeiros do Paraná alerta que esse fenômeno é um perigo difícil de ser identificado pelos banhistas. No Litoral do Estado, esses pontos estão geralmente demarcados com placas de perigo colocadas pelos guarda-vidas.

Para garantir a segurança e o bem-estar dos banhistas, o Corpo de Bombeiros pede à população que fique atenta à sinalização. Desde o início da Operação Verão Paraná, em 21 de dezembro, já foram registrados 776 salvamentos e 13 mortes por afogamento no Litoral do Estado.

Um estudo que consta no Manual de Salvamento Aquático do Corpo de Bombeiros do Paraná aponta que mais de 80% dos casos de afogamento estão relacionados às correntes de retorno.

A corrente de retorno é forte, estreita e rápida, e costuma se formar em regiões de águas rasas e com bancos de areia sedimentados que formam um corredor na faixa em que as ondas quebram. Ao voltar para o mar, as águas formam a corrente por onde retornam rapidamente e levam consigo o que estiver naquela área.

De acordo com o comandante do 8º Grupamento de Bombeiros (8º GB) e coordenador das ações dos bombeiros no Litoral, tenente-coronel Gerson Gross, não é muito fácil para o banhista observar a corrente de retorno. “Por isso, nós sinalizamos com placas de perigo, mas se a pessoa observar um lugar sem ondas, olhando de fora, que esteja margeado por bancos de areia onde quebram ondas, ou próximo a um costão rochoso, desconfie”.

Ainda segundo o oficial, ao perceber que está em situação crítica o banhista entra em pânico e acaba se afogando. “É neste momento que ele deve manter a calma, manter a flutuação, sinalizar que está em dificuldades, e não nadar contra a corrente, mas sim para um dos lados onde tem banco de areia, se tiver condições técnicas e físicas. Nadar para a praia somente quando estiver fora da corrente, ou aguardar pelo resgate”, explica o tenente-coronel.

Os banhistas podem observar as correntes de retorno de um ponto mais alto do nível da água, como um barranco, calçadão e prédios, mas a dica do Corpo de Bombeiros é sempre frequentar as praias protegidas pelos guarda-vidas. “Todos os 13 óbitos por afogamento registrados neste ano foram em áreas não protegidas por guarda-vidas”, alerta o tenente-coronel.

ATUAÇÃO - Durante esta temporada, o Corpo de Bombeiros no Litoral do Estado conta com equipes do próprio 8º Grupamento de Bombeiros (GB) e com o apoio de efetivo de outros grupamentos do Paraná. Os bombeiros militares atuam em toda atividade de Defesa Civil, combate a incêndios, atendimentos pré-hospitalares, vistorias preventivas, entre outros, além das ações de guarda-vidas. Os profissionais estão capacitados e passaram por treinamentos antes da Operação Verão.



Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
http:///www.facebook.com/governoparana e www.pr.gov.br
Operação verãoMais de 80% dos afogamentos ocorrem em áreas em que há corrente de retorno. O Corpo de Bombeiros do Paraná alerta que esse fenômeno é um perigo difícil de ser identificado pelos banhistas. No Litoral do Estado; esses pontos estão geralmente demarcados com placas de perigo colocadas pelos guarda-vidas  -   Operação Verão; 01/02/2019.  -  Foto: Jaelson Lucas /ANPr
Acesse a galeria de fotos
Recomendar esta notícia via e-mail:
Encontrou algum erro