Rádio - Notícias

07/04/2021

Setor produtivo destaca modernização do Afonso Pena após leilão


A concessão do Aeroporto Afonso Pena, em São José dos Pinhais, consolida um sonho antigo dos paranaenses: garante a construção da terceira pista ao terminal internacional que atende Curitiba. Obra significativa para a independência do complexo, traz como reflexo imediato a perspectiva de aumento na movimentação de passageiros com a abertura de voos diretos para Europa e Estados Unidos, acabando com a necessidade de conexão em outras capitais do País. Segundo o governador Carlos Massa Ratinho Junior, este é um passo importante para o Paraná.// SONORA RATINHO JUNIOR.// A nova pista é, também, um salto na logística do Paraná. É por esse novo equipamento, projetado para ter três mil metros de comprimento e maior capacidade para receber e enviar cargas, que o setor produtivo do Estado espera intensificar o comércio para o exterior. O Afonso Pena conta atualmente com duas pistas: a principal com 2.218 metros de comprimento e a auxiliar com 1.798 metros. Devido à altitude do aeroporto, de mais de 900 metros, os aviões operam com restrições, especialmente na decolagem. Ele era o único das capitais da Região Sul que ainda não tinha sido privatizado. A previsão é que o Afonso Pena receba 566 milhões e 200 mil reais em investimentos nos próximos 30 anos. Nelson Costa, superintendente da Federação e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná, a Fecoopar, destacou que ampliar a capacidade aeroportuária do Estado era uma demanda antiga.// SONORA NELSON COSTA.// Presidente da Associação Comercial do Paraná, Camilo Turmina afirmou que a privatização e os novos investimentos vão elevar o status do Paraná no transporte aéreo.// SONORA NELSON COSTA.// De acordo com estudos da Anac, a Agência Nacional de Aviação Civil, Curitiba influencia diretamente mais de 650 municípios, com impacto direto em polos importantes de Paraná e Santa Catarina. Fechou 2019, o último ano antes da pandemia da Covid-19, como 12º aeroporto mais movimentado do País com seis milhões e 300 mil passageiros em 64 mil operações. Além disso, foram outras 29 mil toneladas de cargas transportadas. Marcos Domakoski, presidente do Movimento Pró-Paraná, destacou a união de esforços entre a sociedade civil organizada e o Estado em busca de assegurar esses avanços.// SONOR AMARCOS DOMAKOSKI.// Ágide Meneguette, presidente do Sistema Federação da Agricultura do Paraná, a Faep, ressaltou que essa obra vai impulsionar, ainda mais, o agronegócio paranaense, uma vez que muitos produtos já são exportados por via aérea em função das suas características. Além do Afonso Pena, outros três aeroportos paranaenses foram a leilão nesta quarta-feira na B3: os terminais de Foz do Iguaçu, o de Londrina e o Bacacheri, de Curitiba. Eles integraram o chamado Bloco Sul, arrematado por dois bilhões e 128 milhões de reais, um ágio de 1.534% da proposta inicial mínima, que era de 130 milhões e 200 mil reais. O lance foi dado pela Companhia de Participações em Concessões, do grupo CCR. (Repórter: Wyllian Soppa)


Recomendar esta página via e-mail: