Rádio - Notícias

25/03/2020

Governo do Paraná dará atendimento emergencial a povos e comunidades tradicionais


A Sudis, Superintendência Geral de Diálogo e Interação Social, braço do Governo do Estado de atenção aos povos e comunidades tradicionais, montou nesta semana uma força-tarefa para levantar as principais necessidades das famílias de pescadores, ilhéus, ciganos, indígenas, quilombolas, cipozeiros, benzedeiras, ribeirinhos, faxinalenses e população de matriz africana. Esta medida leva em conta a luta contra o coronavírus, as restrições sociais impostas pela pandemia e as particularidades de cada grupo. A primeira diretriz é o mapeamento das principais necessidades das famílias. As lideranças têm até sábado para requisitar atendimento emergencial em três linhas: cestas básicas, kits de higiene e kits de medicamentos. Enquanto isso, a Sudis articula com a Secretaria da Saúde e demais órgãos de Estado a logística da entrega desses materiais. O levantamento leva em conta que povos e comunidades tradicionais dependem do comércio autônomo e artesanal e que também estão localizados em lugares de difícil acesso. Mauro Rockenbach, superintendente de Diálogo e Interação Social, destacou que as medidas de isolamento social são importantes, mas exigem uma avaliação individual das características de cada comunidade, para a definição de um plano de ação adequado a cada realidade. Segundo Denilton Laurindo, presidente Grupo de Trabalho dos Povos e Comunidades Tradicionais do Estado, essa atuação conjunta ajudará milhares de famílias paranaenses nos próximos meses.// SONORA DENILTON LAURINDO.// O Paraná tem 38 comunidades quilombolas certificadas pela Fundação Cultural Palmares, mas outros estudos da Sudis demonstram que são, pelo menos, 80 comunidades, o que representa mais de 21 mil famílias. As comunidades tradicionais envolvem entre 500 mil e um milhão de pessoas. Essas ações da Sudis estão dentro do pacote social de atenção do Governo do Estado contra a Covid-19. Os investimentos serão de pelo menos 400 milhões de reais. Entre as medidas estão auxílio financeiro para 300 mil famílias de baixa renda por cinco meses, novos limites de consumo nos programas sociais da Copel e da Sanepar, adiamento das parcelas dos programas de habitação da Cohapar e reforço na compra de insumos da agricultura familiar. Outras informações sobre as ações no combate à Covid-19 podem ser conferidas no site coronavirus.pr.gov.br. (Repórter: Wyllian Soppa)


Recomendar esta página via e-mail: