Rádio - Notícias

14/10/2019

Paraná já revelou quatro espécies de dinossauros com pesquisas em área da região Noroeste


No Noroeste do Paraná está uma das áreas com maior concentração de registros de dinossauros do Brasil. Uma escavação na beira da estrada para escoar a água da chuva no município de Cruzeiro do Oeste desvendou a área, chamada de sítio paleontológico. O local ficou famoso em junho deste ano, quando foi revelada a descoberta do primeiro dinossauro encontrado no Estado, batizado como Vespersaurus paranaensis. A área é reconhecida também por ter o que pode ser a maior concentração do mundo de vestígios de dinossauros voadores, os pterossauros, pois ali duas espécies já foram identificadas. Também foi encontrado um pequeno lagarto que viveu no Paraná do período Cretáceo, há cerca de 80 milhões de anos. Para continuar as pesquisas e mostrar os fósseis à população, a prefeitura de Cruzeiro do Oeste inaugurou em julho o Laboratório e o Museu Paleontológico da cidade, com apoio da Universidade Paranaense, e acordo de cooperação técnica da Universidade Estadual de Maringá. A historiadora e diretora do museu, Neurides Martins, explica que as descobertas representam uma grande oportunidade para a população conhecer um pouco mais da história do Paraná. Segundo ela, a revelação de uma espécie única chamou a atenção do mundo todo. // SONORA NEURIDES MARTINS // Pesquisadores de países como Estados Unidos, Dubai, Espanha e Bélgica estiveram recentemente em Cruzeiro do Oeste para ver de perto a descoberta, que tem uma história bastante curiosa. Anos atrás, o mesmo sítio arqueológico já tinha revelado o pterossauro Caiuajara dobruskii, que tem no nome uma homenagem à formação geológica local, o Arenito Cauiá, e também a Alexandre Dobruski, agricultor que encontrou e registrou o fóssil na década de 1970. Na época, ele abriu uma valeta na beira de uma via para ajudar a escoar a água da chuva. Nisso, encontrou uma rocha que parecia um fóssil animal, que foi encaminhada para a Universidade Estadual de Ponta Grossa. Como o conhecimento sobre pterossauros era quase nulo, a rocha ficou engavetada até o ano de 2011, quando, por coincidência o geólogo Paulo César Manzig visitou a universidade, viu a rocha e identificou o crânio do animal. Ao saber que a origem do objeto era Cruzeiro do Oeste, ele foi até o município e viu que, no mesmo local, havia muito mais registros de dinossauros. O geólogo conta que o processo de descoberta foi emocionante. // SONORA PAULO MANZIG // De acordo com pesquisadores, a área de arenito do Noroeste do Paraná era, antigamente, um deserto, mas que concentrava grandes chuvas em algumas épocas. A chuva intensa formava rios temporários, o que transformava este pedaço do Paraná em uma espécie de oásis. Como os registros encontrados no local são de animais jovens, é provável que o área, de tão especial, era usada para procriação. Cerca de 20 fósseis de dinossauros já foram descobertos no Brasil, e o Vespersaurus paranaensis é o primeiro do Paraná. Foram quatro anos escavando um bloco de aproximadamente 200 quilos de rocha até a descoberta de um dente, que abriu sequência para outros achados. Segundo a diretora do Museu de Cruzeiro do Oeste, a pesquisa ainda não acabou. // SONORA NEURIDES MARTINS // O museu de paleontologia em Cruzeiro do Oeste fica na Rua Peabiru, número 157, no Centro da cidade, e é aberto de terça a sexta-feira, das 9 às 11 da manhã e das duas às 4 da tarde. O local recomenda que o visitante entre em contato previamente, pelo telefone 44 3676-4754. (Repórter: Rodrigo Arend)


Recomendar esta página via e-mail: