Rádio - Notícias

12/09/2017

Rede Mãe Parananense começa a usar nova estratégia para reduzir ainda mais mortes maternas no Paraná


Uma nova estratégia da Rede Mãe Paranaense deve reduzir ainda mais os índices de mortalidade materna no Estado. Em conjunto com núcleos de Segurança do Paciente, Epidemiologia Hospitalar e Controle de Infecção Hospitalar, o protocolo vai incentivar e orientar o monitoramento das causas de quase morte em gestantes, conhecidas como near miss. De acordo com o superintendente de Atenção à Saúde, Juliano Gevaerd, o Paraná apresenta resultados não tão graves de mortalidade materna. Mas ele chama a atenção para a tendência de aumento dos casos ao longo do ano.// SONORA JULIANO GEVAERD.// O Protocolo de Investigação e Monitoramento do Near Miss Materno foi apresentado nesta terça-feira na sede do Conselho Regional de Medicina do Paraná, em Curitiba. O evento reuniu cerca de 200 profissionais de saúde dos 30 hospitais que atendem gestações de alto risco na Rede Mãe Paranaense de todo o Estado, além de alguns serviços de atendimento de risco intermediário e regionais de saúde. O coordenador da Vigilância Sanitária Estadual, Paulo Costa Santana, destaca que o objetivo da novidade é orientar, buscando a redução da mortalidade materna.// SONORA PAULO COSTA SANTANA.// De acordo com a técnica da Superintendência de Atenção à Saúde Débora Bilovus, o sistema vai proporcionar maior controle de cada caso.// SONORA DÉBORA BILOVUS.// Dados da OMS, Organização Mundial da Saúde, mostram que todos os dias cerca de 830 mulheres morrem no mundo por complicações com a gravidez ou com o parto. Estima-se também que 88 a 98% dessas mortes sejam evitáveis. No Brasil, a taxa de mortalidade materna é de 75 a cada 100 mil nascidos vivos por ano. No Paraná este número foi de 40,63 no ano passado. A estratégia foi baseada em um protocolo da OMS e adaptada à realidade paranaense. (Repórter: Leo Gomes)


Recomendar esta página via e-mail: