Rádio - Notícias


02/08/2015
Volume contratado pela Fomento Paraná deve crescer 43% até 2018

A Fomento Paraná deve alcançar dois bilhões de reais em contratações de financiamentos entre 2015 e 2018. Um dos principais instrumentos de apoio financeiro para municípios e empresários de micro e pequeno porte do Estado, a instituição estima que, desse total, o setor público deve responder por um bilhão e 200 milhões de reais e o setor privado por 800 milhões, dos quais 200 milhões no microcrédito. O volume é 43% superior ao registrado nos últimos quatro anos. No acumulado de 2011 a 2014, as contratações somaram um bilhão e 390 milhões de reais, sendo 602 milhões no setor privado e 783 milhões no setor público. Com 16 anos de atuação, a Fomento passou por várias transformações nos últimos quatros anos, quando passou a ser encarada como um instrumento de desenvolvimento do Estado. O presidente da empresa pública, Juraci Barbosa, relata que o objetivo é proporcionar cada vez mais linhas de crédito no Paraná. // SONORA JURACI BARBOSA // A instituição atende desde o microempreendedor informal, que participa de programas sociais, até empresas de médio porte. As linhas de crédito oferecem valores que vão de 300 a três milhões de reais, para investimento fixo e capital de giro associado ao projeto de investimento. E até 10 milhões por meio de repasses da Finep e do BNDES. No setor público, financia obras, aquisição de máquinas e equipamentos para os municípios em parceria com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano e o Paranacidade. Para fazer frente à estratégia de expandir operações, a Fomento Paraná vem ampliando o número de agentes de crédito, uma vez que o Banco Central impede instituições de fomento de ter agências próprias. Atualmente são 400 agentes capacitados, número que deve chegar a 500 em agosto. Nos últimos cinco anos, a carteira de crédito privado da Fomento Paraná cresceu mais de 964%, passando de 17 milhões e 300 mil para 184 milhões e 200 mil reais. Somente a carteira do microcrédito registrou avanço de 376%. (Repórter: Gustavo Vaz).






Salvar